Comissão Eleitoral divulga instruções de votação

Comissão Eleitoral divulga instruções de votação

A Comissão Eleitoral publicou o passo a passo para participar da votação nas eleições da Anape. O pleito vai ocorrer entre as 08h do dia 19 e as 18h do dia 20 de maio. A sistemática é a mesma das eleições anteriores. O voto é assegurado a todos os associados que estão na base de dados, ou seja, Procuradores dos Estados e do DF filiados até 31 de dezembro de 2019, que regularizaram a situação fiscal e cadastral até 31 de março de 2020. (Saiba quem pode participar).

Confira abaixo o passo a passo: https://bit.ly/2AfMsMy

Fonte: ANAPE

Edital de Convocação das Eleições da OAB-PE 2018

Edital de Convocação das Eleições da OAB-PE 2018

A OAB Pernambuco publicou no Diário Oficial do estado deste sábado (15) o Edital de Convocação das Eleições 2018 da instituição. O documento apresenta as informações relativas ao pleito para a renovação da Diretoria da OAB-PE, conselheiros federais e seccionais, Diretoria da Caixa de Assistência dos Advogados de Pernambuco (Caape) e Diretoria das 25 subseções da entidade.

O conteúdo do edital detalha ainda prazo e local para registro, composição e impugnação das chapas e apresenta a Comissão Eleitoral para o processo em novembro, entre outros. Confira o documento clicando AQUI.

Para acessar a íntegra do Edital, clique AQUI.

Fonte: OAB-PE

Conpeg divulga carta aos presidenciáveis

Conpeg divulga carta aos presidenciáveis

O Colégio Nacional de Procuradores-Gerais dos Estados e do Distrito Federal (Conpeg) divulgou na última quinta-feira (30) uma carta aberta com recomendações do órgão aos candidatos à Presidência da República.

O texto foi elaborado durante reunião ordinária do colegiado realizada no Rio de Janeiro, nos dias 23 e 24 de agosto, com a presença dos representantes de todas as 27 Procuradorias-Gerais dos Estados.

Veja a seguir a íntegra do documento:

Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2018

As eleições gerais de 2018 se avizinham no Brasil em um cenário de incertezas e de crises financeiras, estruturais e sociais. O objetivo comum de todas as candidaturas a cargos executivos deve ser o desenvolvimento do País e de seus estados e municípios, para alcançar a melhoria de vida da população brasileira, que clama por mais saúde, educação, segurança e infraestrutura.

Para o alcance do equilíbrio econômico e financeiro do País, é importante que todos tenham presente a necessidade premente de restabelecimento do federalismo de cooperação, estruturado na Constituição da República, base para o desenvolvimento e a manutenção da democracia brasileira.

Assim é que todos os candidatos devem estar atentos e cientes de que os problemas vividos pelo Brasil de hoje são em grande parte causados pela ruptura que se perfaz no pacto federativo de há bastante tempo.

Por essa razão e conhecendo de perto as mazelas vividas pelos Estados, os Procuradores-Gerais dos Estados e do Distrito Federal, em decisão unânime, resolveram chamar atenção dessa necessidade inadiável de valorização verdadeira do federalismo cooperativo a todos os postulantes à Presidência.

A convergência de todos os candidatos à causa de uma federação cooperativa, mais justa e voltada ao desenvolvimento nacional, é uma das poucas chances que tem o Brasil de colocar o problema em pauta e buscar soluções que garantam o cumprimento da Constituição, com ênfase na solidariedade nacional e na adequada redistribuição dos recursos que assegurem o financiamento das políticas públicas.

Diante dessas razões, os subscritores concitam os candidatos a que publicamente se comprometam com a restauração e o fortalecimento de um federalismo verdadeiramente equilibrado, com valorização do diálogo interfederativo e correção das distorções hoje existentes.

A concentração de receitas com o governo federal e o espaço excessivo para o exercício da discricionariedade do governo central na distribuição dos recursos aos entes federados dificultam, inclusive, que os governantes e os representantes parlamentares detenham meios adequados para se colocarem com a altivez necessária na defesa dos interesses das populações locais e no controle do poder central.

O fortalecimento dos entes subnacionais, além de necessária para a consecução das políticas públicas essenciais, como saúde, educação e segurança, contribuirá para um acréscimo de participação dos cidadãos locais na definição dos objetivos, carências e demandas a que prioritariamente devam ser destinados os sempre insuficientes recursos públicos.

Fonte: ANAPE